Apresentação da Orquestra Sinfônica Pró-Música marca os 92 anos do Cine-Theatro Central

Google+PinterestLinkedInTumblr+

A Orquestra Sinfônica Pró-Música participa das comemorações dos 92 anos do Cine-Theatro Central, de Juiz de Fora – MG, com uma apresentação virtual, a ser divulgada em 30 de março, às 20h, nas redes sociais do Central. Junto com os instrumentistas, o maestro Victor Cassemiro optou pela interpretação do clássico tango “Por Una Cabeza”, de 1935, composto para a trilha sonora do longa-metragem “Tango Bar”. A melodia é de Carlos Gardel e a letra de Alfredo Le Pera.

O maestro cita que o tango integra a trilha sonora de vários filmes e séries, como “Perfume de Mulher” (1992; “O Poderoso Chefão” (1972); “A Lista de Schindler” (1993); e “La Casa de Papel” (2017). “Por Una Cabeza” foi uma das muitas músicas já interpretadas pela Orquestra Sinfônica Pró-Música no palco do Central. A apresentação desta terça-feira conta com aproximadamente 25 componentes, sendo que cada músico gravou seu vídeo em home office com posterior edição para a apresentação final.

Já apelidada de Manchester Mineira e Princesa de Minas, Juiz de Fora tem uma história marcada por grande destaque industrial e econômico no cenário nacional no início do século XX. A efervescência cultural não tardou, culminando em um projeto que representou sua grandeza. Idealizado pela Companhia Central de Diversões, construído pela empresa Pantaleone Arcuri, com projeto arquitetônico de Raphael Arcuri e decorado por Angelo Bigi, o Cine-Theatro Central foi inaugurado em 30 de março de 1929.

Com capacidade para mais de 1.700 pessoas e localizado no coração da cidade, o Central representa um espaço cultural vital para toda a região. Além de centenas de filmes projetados, recebeu grandes espetáculos de artes cênicas, dança e música, protagonizados por personalidades como Procópio Ferreira; Paulo Gracindo; Bibi Ferreira; Tom Jobim; Maria Bethânia; Chico Buarque; Milton Nascimento; Ana Botafogo; Débora Colker, entre muitos outros.

O espaço foi adquirido pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em 1994 e, no mesmo ano, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o que garantiu sua preservação. Em 1996, passou por uma restauração integral, que devolveu ao prédio todo o seu esplendor, sendo ainda alvo de outras reformas de manutenção e preservação ao longo dos últimos anos.

Fonte: Com informações do Portal Acessa.com

Compartilhe.

Deixe uma resposta

onze − 9 =