Maestro e violinista fazem serenata para vizinhos em prédio de Vitória/ES

Google+PinterestLinkedInTumblr+

Condomínio se mobilizou para ter apresentações culturais em meio ao isolamento da quarentena; casal tocou violino no início da noite de quarta-feira (25)

 O distanciamento social necessário – mas muitas vezes duro – para conter o avanço do novo coronavírus ganhou um respiro no início da noite desta quarta-feira (25). Em um prédio localizado no Centro de Vitória, um casal de músicos dez uma espécie de serenata aos vizinhos dos outros 91 apartamentos.

Os artistas responsáveis pela apresentação são o maestro adjunto da Orquestra Sinfônica do Espírito Santo, Leonardo David e a esposa, a professora de violino Gabriela Queiroz. Ao todo, foram tocadas quatro composições, que juntas resultaram em um show intimista de aproximadamente 20 minutos. A primeira a ser tocada foi a melodia de Ana Maria, às 18h.

“Nós moramos no penúltimo andar e descemos até o oitavo, na metade, para que todos ouvissem. Tocamos perto dos elevadores, em frente a uma janela bem grande. Quando começamos, só estávamos nós, mas, no final, muita gente estava ouvindo. Teve quem chorou. Foi muito emocionante”, contou Leonardo.

Depois da abertura conjunta do casal, Gabriela tocou uma peça de Bach e a Meditação de Thaís. No desfecho, eles se reencontraram em um concerto de Vivaldi – sendo seguidos, claro, por uma salva de palmas. “A ideia era nos entregar e emanar boas energias”, resumiu Leonardo, que conheceu a esposa na sinfônica do Espírito Santo.

“O ser humano precisa da arte, faz parte do nosso dia a dia, do nosso DNA”, afirmou o maestro.

A apresentação do casal, no entanto, é apenas a primeira de outras que estão previstas para acontecer no prédio Gaivota. A mobilização tem o intuito de, todas as semanas, algum morador se apresentar para trazer um pouco de cultura e acalentar o clima distante imposto pela quarentena.

Mas a ideia surgiu quase que por acaso. “Sempre soube que havia muitos idosos aqui. Então, fui de porta em porta para ver qual era a situação deles e o que precisavam. Quando vi que estavam preocupados e tensos, pensei que usar o fosso do prédio como uma grande caixa de som”, revelou a assistente social Tânia Maria Silveira.

A iniciativa foi levada à sindica, que a aprovou, e os telefones recolhidos nas visitas serviram para formar um grupo de whatsapp. É uma rede de ajuda mútua. Apareceu quem cozinha e gente que se ofereceu para ir ao mercado para os outros. Além de um músico e uma cantora lírica que também vão se apresentar”, revelou.

“A sensação é que o condomínio nunca esteve tão unido. Esse confinamento acabou aflorando o melhor lado de cada um”, disse Tânia.

Com os bares fechados e os shows pelas noites de Vitória desmarcados, o músico Douglas Santhos deve ser o próximo a fazer um show solidário no prédio. “Ainda não definimos o dia, mas deve ser na próxima terça ou quarta-feira. Desde quando soube da ideia, me coloquei à disposição”, afirmou.

Na apresentação desta noite, no entanto, ele foi público. “A quantidade de palmas foi aumentando da primeira até a última música. São 20 minutinhos que dão uma elevada no espírito das pessoas, que muitas vezes estão tristes, para baixo”, lembrou ele, que trará um pouco de samba, com voz e violão aos vizinhos. Só resta esperar.

Fonte: A Gazeta

Compartilhe.

Deixe uma resposta

um × cinco =