Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz encanta público na igreja de Santo Alexandre, em Belém/PA

Google+PinterestLinkedInTumblr+

Obras de Bach, Mozart e Schubert foram apresentadas sob a regência do mastro assistente Pedro Messias

O público lotou a apresentação da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP), que realizou, na noite de terça-feira (26), na Igreja de Santo Alexandre, em Belém/PA, um concerto sinfônico gratuito que destacou três importantes nomes da música erudita e principais compositores dos períodos barroco, clássico e romântico. O espetáculo foi uma realização do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), em parceria com a Academia Paraense de Música (APM) e Theatro da Paz.

Sob a regência do maestro assistente Pedro Messias, o concerto teve a participação do violinista Fábio Santos como solista. Amante da história da música, Pedro Messias contou que a apresentação segue uma cronologia linear, passando por períodos muitos distintos da música erudita, o que exige uma concentração maior dos músicos.

“Sair do Theatro da Paz e vir para a Igreja de Santo Alexandre é sempre uma experiência. Primeiro, por ser uma igreja barroca e importante referência para Belém. Segundo pelo fato de um teatro ser pensado acusticamente para receber uma orquestra, os instrumentos como eles são e as músicas como elas são escritas, não necessariamente uma igreja é assim. O pé direito muito alto e suas formas acabam transformando a questão acústica, ou seja, o som acontece de uma maneira diferente, que a gente precisa mudar a maneira de tocar para todos entendam o discurso musical. O público percebeu o que estávamos trazendo e foi receptivo”, afirmou Pedro.

O espetáculo iniciou com a obra “Concerto de Brandenburgo nº 3 em Sol maior, BWV 1.048”, de Johann Sebastian Bach (1685-1750), músico, compositor e organista alemão do período barroco. Em seguida, a orquestra executou “Concerto para violino nº3 em Sol maior, K. 216”, do compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart, (1756-1791), considerado um dos mais importantes da história da música clássica, com participação do solista Fábio Santos no violino. Para encerrar, a “Sinfonia nº 5 em Si bemol maior, D. 485” do também austríaco Franz Schubert (1797-1828), músico erudito austríaco da época do romantismo e exímio compositor do gênero lied, canção lírica, cantada.

“Aqui temos um jovem Schubert de 19 anos, apaixonado por Mozart. Muito mais conhecido por sua produção de canções e peças para piano e voz, Schubert tem sinfonias maravilhosas, como a de nº 5, com estrutura muito clássica, mas já expandindo algumas cores do que virá a ser um romantismo mais exacerbado”, explicou Pedro Messias.

De passagem pela cidade, Ellen Forma se surpreendeu com o concerto que considerou inusitado por acontecer em uma igreja. “Em Londrina, ouvimos muito falar da OSTP, mas esperava vê-la no Theatro da Paz, considerado uma joia da arquitetura brasileira. Porém, assistir a um concerto nesta igreja e com todas as informações repassadas pelo maestro é um presente, uma verdadeira aula sobre música. Estou maravilhada”, declarou.

Fonte: Agência do Pará

Compartilhe.

Deixe uma resposta

13 + dois =