Maestro une banda sinfônica pela internet para apresentação em MG: ‘Saudade de fazer música’

Google+PinterestLinkedInTumblr+

Vídeo mostra execução de clássico de Charles Chaplin e destaca trabalho de músicos do Conservatório Musical de Poços de Caldas durante isolamento por conta do coronavírus.

Um maestro teve a ideia de reunir os músicos da Banda Sinfônica de Poços de Caldas (MG) em uma apresentação pela internet durante os dias de isolamento. A ideia, segundo o maestro Juliano Marques Barreto, foi amenizar as preocupações e inseguranças vividas por muitas pessoas em quarentena por conta do coronavírus.

Os 45 músicos da banda foram convidados a gravar, cada um de sua casa, a composição “Smile” de Charles Chaplin. O resultado foi um vídeo de pouco mais de três minutos ao som de flautas, clarinetes, saxofones, piano e mais instrumentos.

A Banda Sinfônica formada em 2012 por professores e alunos do Conservatório Musical de Poços de Caldas, além de músicos convidados, é conhecida por apresentações em festivais e eventos com música instrumental e erudita. O grupo também leva música para escolas, asilos e hospitais e faz concertos gratuitos com arrecadação de alimentos.

A saudade dos concertos musicais motivou o maestro Juliano.

“Nós estamos com saudade de fazer música pra gente e para todos. O objetivo do vídeo foi sensibilizar, dar força, esperança, uma singela mensagem de todos nós”.

A ideia, segundo o maestro, surgiu há 10 dias, com o início das ações mais rígidas de isolamento social para evitar o contágio pelo novo coronavírus no Brasil. Inspirado por ações de músicos em varandas de várias cidades na Europa, que enfrentaram antes o período crítico da doença, Juliano postou um vídeo de um dos últimos concertos feitos pela banda em janeiro.

Foram dezenas de pedidos dos amigos nas redes sociais para que o maestro compartilhasse mais apresentações e sugestões de músicas para serem ouvidas no período de isolamento.

“A gente sabe o tanto que a música mexe com o sentimento, desperta várias emoções. Fiz um vídeo simples. A gente quer atingir bastante gente, pra dar força nesse momento. É uma forma de estarmos conectados, de estarmos juntos e dando forças um pro outro”.

Para o maestro, a volta aos concertos ainda não é possibilidade próxima. Mas, na música, ele espera que as pessoas encontrem uma esperança. “Torcendo pra que esse momento passe logo e que estejamos o mais rápido possível fazendo música novamente”.

Fonte: G1

Compartilhe.

Deixe uma resposta

4 × um =