Orquestra Ramacrisna se reinventa com aulas virtuais na pandemia

Google+PinterestLinkedInTumblr+

No ano em que completa 15 anos de história, a Orquestra Jovem Ramacrisna, formada por 60 crianças e adolescentes em situação de risco que vivem na região do Vianópolis, teve que se reinventar.

Para continuar realizando o sonho desses meninos e meninas de mergulhar no universo da música instrumental, mesmo em meio à pandemia da Covid-19, as aulas presenciais foram substituídas pelas virtuais. Já a bolsa de estudos, oferecida hoje à 20 estudantes do Instituto Ramacrisna, foi mantida.

Para o adolescente Matheus de Jesus, 16, as videoaulas têm sido uma experiência inovadora. “Pelo bem do  osso aprendizado, estamos conseguindo efetuar tudo com sucesso e preservar nosso aprendizado”, disse.

Já a jovem Patrícia Costa, 16, contou que, com as aulas virtuais, ela tem aprendido a ser mais disciplinada. “Preciso tirar um tempo para ver e gravar vídeos e, por isso, tento planejar melhor meu dia”, contou.

Semanalmente, as aulas são enviadas aos alunos, por meio de vídeos e, em alguns momentos, professores e alunos fazem videoconferências para esclarecer dúvidas, repassar tarefas, lições do repertório e até fazer gravações.

“As aulas por vídeos têm sido uma forma muito interessante de manter os alunos conectados com os instrumentos e, também, oferecer a eles uma ocupação em casa.

Os resultados têm sido excelentes”, afirmou o maestro Eliseu Barros, regente da orquestra. Fundada em 2005, a Orquestra Jovem Ramacrisna tem como objetivo trazer para as crianças e jovens da região, com idades entre 9 e 25 anos, a beleza da música clássica. Através do projeto, hoje, 60 músicos frequentam aulas de teoria musical e prática em instrumentos de cordas, sopro e percussão, que são ministradas pelos professores da família Barros.

Fonte: O Tempo

Compartilhe.

Deixe uma resposta

12 + 19 =