Orquestra Sinfônica Brasileira apresenta concerto virtual

Google+PinterestLinkedInTumblr+

Cerca de 50 alunos do programa Vale Música dos municípios de Corumbá (MS), Serra (ES) e Belém (PA) tiveram aulas com professores da Orquestra Sinfônica Brasileira ao longo do ano de 2020. Em função da pandemia, os encontros, que costumavam ser presenciais, precisaram migrar para o ambiente virtual, assim como o concerto de culminância das ações. Hoje (13), amanhã (14) e sexta-feira (15), a OSB publicará, em suas redes sociais, vídeos em que os jovens estudantes tocam junto com os músicos da orquestra – cada um em sua casa – composições de artistas regionais: Facebook – /orquestrasinfonicabrasileira e Youtube – /sinfonicabrasileira. O acesso é gratuito.

O concerto on-line será dividido em três partes e os vídeos serão publicados sempre às 11h. Os alunos do Instituto Moinho Cultural abrem a programação, nesta quarta-feira, interpretando “Sonhos Guaranis”, de Almir Sater e Paulo Simões, em arranjo de Alexandre Queiroz. Amanhã é a vez dos estudantes do Vale Música Serra, com a canção “Ardiloso”, do compositor Mauricio Oliveira, em arranjo de Rafael Rocha. Fechando o concerto virtual, no dia 15 de janeiro, “Cantiga de Penas”, de Salomão Habib, com os jovens do Vale Música Belém, em arranjo de Alexandre Queiroz.

Para Felipe Gonçalves da Silva Arruda, aluno do Instituto Moinho Cultural, a Orquestra Sinfônica Brasileira é para o músico um ícone, uma inspiração. “Tocar com eles, mesmo que de forma remota, era um sonho. Antes de começar a gravação para a montagem da peça, eu abracei meu clarinete e orei agradecido e emocionado pela oportunidade. E tocar uma música do Almir Sater é como bater no peito e pensar: ‘é ouro da casa’. Além disso, ler e executar o que um arranjador do nível de Alexandre Queiroz escreveu colocou em mim um sentimento de responsabilidade e de capacidade que eu ainda não tinha experimentado”, afirmou o jovem clarinetista.

A ação faz parte do Programa Vale Música, uma iniciativa do Instituto Cultural Vale, que acredita no poder de transformação por meio da música e cria uma rede colaborativa de ensino e aprendizagem entre os projetos musicais que a Vale patrocina. São realizados intercâmbios entre estudantes e professores, aulas com músicos das orquestras parceiras e residências artísticas. Na Orquestra Sinfônica Brasileira, as ações ocorrem no âmbito do Conexões Musicais – projeto de responsabilidade social da Fundação OSB.

Vale e Instituto Moinho Cultural: 16 anos de parceria

A Vale anunciou, no final de dezembro do ano passado, a continuidade do patrocínio ao Instituto Moinho Cultural Sul-Americano, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Foram repassados cerca de R$2,4 milhões para as atividades da instituição em 2021, que fazem a diferença na vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e risco social de Corumbá, Ladário e das cidades bolivianas Puerto Suarez e Puerto Quijarro. O instituto oferece aulas de ballet e música clássica, dança contemporânea, tecnologia e informática, literatura, apoio escolar e grupo de convivência e fortalecimento de vínculos.

Com a criação do Instituto Cultural Vale, a parceria foi ampliada. Além de patrocinar o plano anual de atividades do Moinho Cultural, a empresa também apoiará a Companhia de Dança do Pantanal. “Ter a Vale como parceira há 16 anos faz do Instituto Moinho Cultural uma instituição forte, segura e com a certeza de continuidade. A empresa não é apenas uma patrocinadora via lei, é uma parceira territorial, que realmente contribui com a evolução do instituto como um todo. Nós montamos a Orquestra de Câmara do Pantanal e, pela primeira vez, o aporte este ano também irá para a Companhia de Dança do Pantanal. Ou seja, nós estamos conseguindo concretizar muitos sonhos com esse incentivo que é fundamental”, destacou Márcia Rolon, diretora do Instituto Moinho Cultural Sul-Americano.

Fonte: Correio de Corumba

 

 

 

 

 

 

Compartilhe.

Deixe uma resposta

16 − dez =